Estatuto
O Projeto
Jornais
Leis
Curso de Inclusão

Tudo começou quando o Augusto, Presidente do CEBRIJ de Ribeirão Preto, foi à TV, convocar as famílias da região para uma reunião em Ribeirão Preto a fim de formar uma Associação de Famílias de Pessoas Portadoras de Paralisia Cerebral.

Como mãe de uma criança portadora de Paralisia Cerebral atendi a essa convocação e fui à reunião que ocorreu no dia 07 de dezembro de 1996, às 13:00h, na Escola Egidio Pedreschi.

Nesta reunião ouvimos o depoimento do Presidente da INTEGRAR, que é a associação de Sorocaba, além do Promotor da Justiça, Professores Especializados, Fisioterapeutas e outros profissionais ligados a área.

A partir de então, tiraram uma comissão para organizar a formação da associação de Ribeirão Preto, e ficou decidido que em função da distância, deveriam ser formadas Associações nas cidades da região e que o CEBRIJ auxiliaria nesta formação.

Neste interim, trabalhei aqui em Franca no sentido de levantar nomes (atualmente existe uma pesquisa em andamento que já levantou mais de 300 casos de Paralisia Cerebral na região) de famílias e entrar em contato com elas para que Franca fosse logo formando sua Associação.

Deu certo!!! Franca ganhou a 1.ª reunião da região que foi marcada para o dia 18 de janeiro de 1997.

Trabalhei muito para que essa reunião ocorresse, consegui convites e os enviei pessoalmente, fui aos jornais, às rádios, e consegui reunir um bom número de famílias e profissionais nesta 1.ª reunião que aconteceu na Faculdade de Direito de Franca.

O pessoal de Ribeirão veio, fizeram um belo depoimento e marcamos novas reuniões para iniciar a formação da Associação de Franca, e durante todo este processo uma presença foi constante, Ana Cláudia ( fisioterapeuta e a Presidente na 1.ª gestão da Diretoria da Associação).

Marcamos uma data, 07 de abril, e fizemos um esforço maior em reunir mais famílias, a Prefeitura cedeu-nos um espaço e neste dia conseguimos o quorum suficiente para constituir a diretoria, onde Ana Cláudia ficou com a Presidência e eu com a Vice-Presidência.

Registramos a ata e começamos a trabalhar a favor de aumentarmos o nosso cadastro de portadores de Paralisia Cerebral e de divulgar o nome e o trabalho da Associação e a Paralisia Cerebral em si.

Em julho de 1997 conseguimos organizar uma palestra-depoimento de Sueli Saton, psicóloga, portadora de Paralisia Cerebral, que nos narrou todas as suas lutas e seus sucessos.

A Associação tem muitos objetivos e muitas metas a alcançar, o que falta, na verdade, é dinheiro para levarmos a cabo todos os planos.

Ana Luiza Andrade de Andrade

 
 
Precisamos de você !!